segunda-feira, 18 de março de 2013

Relendo... A Última Feiticeira de Sandra Carvalho

A Última Feiticeira (A Saga das Pedras Mágicas, #1)

O fantástico épico está novamente de parabéns com mais um estreia literária de uma autora portuguesa que a Presença propõe ao seu público. Em "A Saga das Pedras Mágicas" os heróis, diz-nos Sandra Carvalho, têm uma profunda ligação à Natureza e aos Elementos, são apaixonados pela Vida e inteiramente determinados na sua coragem. A acção passa-se num tempo em que os sábios Druidas se recolhiam nas florestas para perpetuarem o Conhecimento que em eras passadas lhes fora transmitido pelos Seres Mágicos. O berço da heroína desta história, Catelyn, e dos seus cinco irmãos varões, situa-se na Grande Ilha, cada vez mais fustigada pelos ataques dos Viquingues. Os senhores locais formaram uma Aliança para os repelirem, consolidando essa política através de casamentos combinados entre os herdeiros das grandes famílias. Depois de uma infância paradisíaca, Catelyn cresce num mundo cada vez mais violento, assistindo impotente às manipulações da maldosa Myrna, a protegida do homem com quem o pai de Catelyn destinou casá-la.


[Pensamentos durante a leitura]
  • A princípio a leitura estava difícil devido a tudo o que acontece na vida de Cat e dos seus irmãos. Mas depois quando a história se aproxima da invasão dos vikings, tudo se tornou mais fácil porque eu bem me lembro o que acontece a Cat depois, nomeadamente no segundo livro, o meu favorito há muito :)

Ao reler "A Última Feiticeira" após já ter lido A Filha da Floresta, realmente há uma sensação de deja vu, na medida em que há algumas coisas semelhantes ao início. Mas devo dizer que é apenas no início, uma vez que temos uma rapariga com irmãos rapazes, e um pai que se casa com a feiticeira má. Mas é aí que as semelhanças param, porque Sandra Carvalho soube construir um mundo e uma história completamente diferente, pois tirando essa sensação de deja vu no início, nunca mais me lembrei do outro livro, a história consegue-se distanciar por completo.
A primeira metade do livro relata-nos a vida de Catelyn, ou Cat, na Grande Ilha, antes e após a chegada de Myrna, a grande bruxa que assombria a história neste livro. Graças a esta, Cat é arrancada de uma vida feliz, simples, rodeada pelo amor dos irmãos, e é atirada para o meio dos lobos, onde alguns dos seus irmãos começam a tratá-la de maneira diferente devido a várias situações, onde é desejada por um homem abominável, mas também por um homem que conhece desde sempre e pelo qual vai nutrir um amor puro e terno. Cat vai ver a vida negra e bem negra até ao momento em que é salva por um viking loiro de olhos azuis, mas cujo sonho é matar o inimigo que matou o seu pai: o pai de Cat.
Temos então a segunda metade do livro, onde Cat viaja até às Terras Altas, terra dos vikings, e onde é sujeita a várias provações, algumas boas, mas muitas más, pois torna-se escrava da noiva do dito viking. E mais não digo.
Este é o início de uma história linda, é o livro que nos leva ao segundo, que eu adoro. Aliás, se não houvesse livros após o segundo, eu ficava feliz na mesma. Mas ainda bem que há mais! Acho que é um óptimo exemplo do que a literatura portuguesa pode dar e é um fantástico contributo para a literatura fantástica.
Recomendo totalmente :)

*Mais uma vez, não dou 5 (GD) estrelas a este livro, não porque ele não mereça (porque merece totalmente) mas é simplesmente para o diferenciar dos livros que gosto mais - como por exemplo o segundo da saga, O Guerreiro Lobo.

6/7 - Gostei bastante

2 comentários:

  1. gostei muito da tua opinião, deu-me curiosidade de o ler :) tenho de ver se alguém no bookcrossing o tem

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Maria João! Aconselho-te vivamente a tentares lê-lo. É lindo :)
      Depois diz o que achaste!
      Beijinho

      Eliminar