terça-feira, 22 de outubro de 2013

Herdeira das Sombras - Anne Bishop

Uma leitura demorada, interrompida por uma semana onde reli uma trilogia adorada, mas acabada com um sorriso nos lábios. :)

4286079


Há setecentos anos, num mundo governado por mulheres e onde os homens são meros súbditos, uma Viúva Negra profetizou a chegada de uma Rainha na sua teia de sonhos e visões. Jaenelle chegou para ocupar o seu lugar, mas mesmo a protecção dos Senhores da Guerra não impediu que os seus inimigos lhe provocassem um terrível mal. Agora é necessário protegê-la até às últimas consequências. Mas será que ainda é possível recuperar Jaenelle? Há, no Reino, três homens dispostos a dar a sua vida pela Rainha prometida. Mas as atrocidades cometidas mostram que há quem esteja disposto a tudo para controlar ou destruir Jaenelle. Para todo o sempre.


Quando peguei neste livro, fi-lo porque a curiosidade mantinha-se. Queria saber o que iria acontecer a Jaenelle. Pelo meio da leitura fui-me interrogando sobre porque é que esta trilogia é tão famosa, porque tantos gostam dela. Fui-me interrogando se eu tinha a mesma opinião, se estava a ler apenas pela curiosidade, se conseguia compreender aqueles que gostavam da trilogia. E agora penso que sim. Ao acabar este livro percebo porque tantos gostam da trilogia, da escrita e do mundo criado por esta autora. E vou explicar porquê toda esta confusão.

O mundo criado pela Anne Bishop é tão novo, tão único, tão complexo, que demora a entendê-lo. Aliás, acho que mesmo depois de dois livros lidos, ainda não o consigo entender na sua plenitude, acho que ainda há coisas fora da minha compreensão ou coisas que ainda não sei, naturalmente. Mas só a meio deste segundo livro é que consegui familiarizar-me com todo este universo, sentindo-me mais à vontade a ler e talvez foi a partir daí que comecei a gostar muito mais da história, um gosto que transcende à curiosidade que sentia.

Esta é uma história negra, obscura, com muitos cantos e recantos, onde há muitos que querem corromper a ordem natural das coisas, onde aquelas que deviam reinar e proteger, reinam e obrigam, escravizam aqueles que deveriam ser seus servos por vontade. E é óbvio que vão lutar contra aquela que trará a ordem às coisas, a Rainha, a Feiticeira. O problema é que fazem-no sempre por vias oblíquas, escondidas de forma a destruir mais eficazmente. E nós arrepiamo-nos pelas crueldades feitas e revezamo-nos para que a Rainha vença, para que ela ou os seus não sucumbam.
Demorei, mas realmente entendo a magia que nos atrai a esta história e muito brevemente irei atirar-me ao terceiro livro para ver a derradeira vitória da Rainha. :)

5,5/7 - Gostei muito

Sem comentários:

Enviar um comentário