segunda-feira, 7 de abril de 2014

A Chama de Sevenwaters - Juliet Marillier


A Chama de Sevenwaters
Flame of Sevenwaters

Juliet Marillier
Sevenwaters #6

Editora Planeta (2013)
424 páginas

Origem: Biblioteca
6/7 - Gostei bastante

+1 Finish The Series Reading Challenge 2014


Dez anos depois do terrível incêndio que quase lhe custou a vida, Maeve, filha de Lorde Sean de Sevenwaters, regressa a casa. Traz nas mãos disformes as marcas desse acidente e dentro de si a coragem férrea de Liadan e Bran, os pais adoptivos, e um dom muito especial para lidar com os animais mais difíceis. Embora as cicatrizes se tenham fechado, Maeve ainda teme as sombras do passado — e o regresso a casa não se faz sem dificuldades. Até porque Sevenwaters está à beira do caos.


Realmente A Chama de Sevenwaters volta a subir a fasquia das histórias de Sevewaters (comparando aos dois últimos). Neste livro, começamos a acompanhar Maeve, a filha de Sean que ficou queimada no fogo provocado dez anos anos antes. Apesar de ter ficado com o coração destroçado devido à morte do seu querido cão que tentara salvar, Maeve não fechou o coração aos animais. Aliás, utiliza o espectacular dom que possui de acalmar os animais com a sua voz para deleite e benefício de muitos.

No princípio do livro vemos Maeve a regressar à sua terra-natal, mas que para si se tornou estranha - também estranha vai ser a sua relação com os familiares já que tanto mudou. Mas ao contrário de tudo o resto, não há nada de estranho entre Maeve e Finbar, o seu pequeno irmão que apesar dos seus sete anos encerra segredos e atitudes bastante adultas. Maeve vai também encontrar quem lhe cure a ferida que a morte do seu antigo cão lhe provocou - dois cães esfaimados e desconfiados aparecem e Maeve vai fazer de tudo para cuidar deles e conquistar a sua confiança. Urso e Texugo vão ser fundamentais - quer para o seu coração quer para o quem vem a seguir. Numa corrida contra o tempo, Maeve vai ter que correr para salvar o seu irmão, salvar os seus queridos cães, Swift, o precioso cavalo que trouxe consigo e vai acabar por salvar muito mais do que espera - Sevenwaters precisa de si. Neste livro vamos também admirar Ciáran, alguém que já sofreu muito, alguém que tem estado muito na retaguarda, mas ainda tem algo para dar. É ele que vai fazer a diferença - a história não podia tomar este rumo sem ele.

Esta foi uma história que adorei ler. Para além do tão desejado regresso a Sevenwaters, pude regressar à escrita de Juliet Marillier, uma autora muito querida que me consquistou com o primeiro livro desta saga. E neste livro, Juliet Marillier consegue provar que apesar de ter sido quase obrigada a escrever mais livros para além da trilogia original, consegue escrever algo lindo e com fundamento. Ao lermos este livro, vemos que a autora pegou em algo que começou na trilogia inicial e deu-lhe uma história que parecia não ter ligações para além das óbvias (a família e o mundo construído) mas afinal tinha. O Herdeiro de Sevenwaters e A Vidente de Sevenwaters parecem histórias desligadas, escritas só porque sim. Mas ao lermos A Chama de Sevenwaters vemos que a autora estava a olhar mais além, principalmente quando escreveu o Herdeiro, que tem várias ligações a este livro, várias pontas soltas que serão ligadas nesta história.
Só vos posso dizer que este livro é melhor que os dois restantes, tem uma escrita e uma história que associamos mais à autora e faz-nos ficar pasmados perante certos acontecimentos e sobretudo personagens. Acreditem, há algumas que vos irão surpreender.
Nesta história há mais crueldade por parte dos seres do Outro Mundo, parece que não vemos um que seja bondoso com a família Sevenwaters (ao contrário dos restantes livros onde houve ajuda por parte destes seres) e em várias alturas nem tudo o que parece é. Há acontecimentos inesperados mas acho que também há alguns que conseguimos adivinhar e ficamos contentes por termos razão - aconteceu-me isso particularmente com o final de Urso e Texugo.

Este livro vai deixar saudades. Não apenas porque voltou a trazer a escrita da autora ao seu auge como também significa a despedida a este mundo, a esta família que tanto gostamos. Mas espero que não. Espero que a autora tenha algo na manga e nos faça deliciar uma vez mais com Sevenwaters.

2 comentários:

  1. Concordo contigo. Com este livro também senti que tinha regressado ao antigo mundo de Sevenwaters (que adoro!!) e foi um livro que li com muito carinho =)
    Quanto a esperar que Juliet Marillier escreva mais sobre Sevenwaters, confesso que não me entusiasma. Atenção, a trilogia original é uma das minhas preferidas e tenho tanta vontade em reler-los mas esta segunda trilogia (O Herdeiro de Sevenwaters e A Vidente de Sevenwaters) ficaram muito aquém das expectativas. E preferia que a autora voltasse ao mundo das Crónicas de Bridei.
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Tita! Pois, percebo a tua posição relativamente à saga.
      Ainda não li as Crónicas de Bridei. Deveria procurar os livros na biblioteca para o fazer :)
      Beijinho

      Eliminar