quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Orgulho e Preconceito - Jane Austen


Orgulho e Preconceito
Pride and Prejudice

Jane Austen
Livro Único

Editora Relógio D'Água (2012)
360 páginas

Origem: Biblioteca
4/7 - Gostei mas tenho reservas




A chegada de vários jovens marca uma profunda transformação na vida de uma família de classe média rural, os Bennets, e em particular na das suas filhas.
Um desses jovens é Darcy, membro da alta sociedade que se distingue pelo seu orgulho. Desenvolve-se uma série de desafios, de equívocos, de julgamentos apressados, que conduzem à mágoa e ao escândalo, mas também ao auto-conhecimento e amor.


Primeiro de tudo: chamam a isto um romance? Só se for devido ao seu tamanho (género narrativo ficcional em prosa, mais longo que a novela e o conto, etc, etc, conceito tirado da Infopédia). Porque de romântico, até agora nada tem - desculpem-me as aficcionadas por este livro.

Segundo: "A suprema cena cómica em toda a obra de Jane Austen é a rejeição que Elizabeth faz da primeira proposta de casamento de Darcy (...)"? Céus, então que cómica saiu esta Jane Austen! *bastante ironia*


Como podem ver pelos meus comentários durante esta leitura, fiquei maluca de tanta comicidade por parte da autora. Estás a brincar, certo, Sara? Tão pois claro que estou! Quando me dizem (na contracapa do livro) que a cena em que a Elizabeth recusa o primeiro pedido do Darcy é a suprema cena cómica de toda em toda a obra de Jane Austen eu fico parva de espanto quando leio a tal cena, porque de cómica ela não tem absolutamente nada! Nem esta, nem qualquer outra. Ah, não, espera, ali o Senhor Collins é tão parvo e tão irritante que faz o Senhor Bennet (pai da Elizabeth) rir, a ironia com que o Senhor Bennet considera o marido de Lydia o seu genro favorito faz-nos (talvez) rir mas é pela tristeza da coisa ou porque mais vale rir do que ranger os dentes (na primeira) ou mesmo pela ironia do Senhor Bennet (na segunda)! Really, eu não percebo o porquê de tanta gente se baixar e fazer uma vénia a este livro!

Mas bem, não me entendam mal. Não é um mau livro. Percebe-se bem que Jane Austen serve-se da sua obra para criticar a sociedade daquela altura, nomeadamente as maneiras afectadas e arrogantes dos mais nobres e a triste pobreza de espírito de alguns que tendo um título mais baixo fazem de tudo para obter uma vida melhor, nem que isso obrigue ao convívio com gente irritante e com mania que é alguém, ou se expõem ao ridículo. No entanto tudo isto leva que a primeira metade do livro seja do mais aborrecido que há e que nos faça ter vontade de desistir do livro. Claro, não sei quanto a vocês, mas foi o que eu senti. Na segunda metade, a história começa a ser mais interessante, começa a haver mais reviravoltas (claro que a recusa da proposta de casamento de Darcy ajuda a isso, bem como o aumento dos reencontros entre estes dois intervenientes) e aí o interesse pela história aumenta. Devo dizer, no entanto, que não fiquei fã de nenhuma personagem: não consegui criar empatia com a Elizabeth e achei aquela mudança de sentimentos um bocado forçada - não digo isto em relação a deixar de desprezar o Darcy. Mas passar do desprezo a amor em tão pouco tempo e com tão pouco romantismo, aquilo parece muito pensado e pouco sentido. Quanto a Darcy, obviamente gostei mais deles depois da mudança pós-crítica da Elizabeth, mas a sua personalidade passada não fica esquecida. Por outro lado, Jane parece demasiado inocente, sonsa, sei lá que chamar, aquilo de pensar bem de todos, mesmo daqueles que se comprovam ser mal gente, a certo ponto já cheira mal. Mas fiquei contente com o seu desfecho. De resto, não há grandes personagens dignas de nota que já não tenha falado, excepto claro, a irritante e impertinente tia de Darcy (que tinha cá uma lata!), mas felizmente ela recebeu a bofetada de luva branca que merecia.
Enfim, acabei a gostar um pouco mais da história, mas podem crer que as coisas de que me irei lembrar são maioritariamente da segunda metade da obra. E tendo já outro livro desta autora como um falhanço (Ema) não volto a pegar num livro desta senhora assim tão cedo.

4 comentários:

  1. É um dos meus clássicos preferidos e é o meu preferido da autora.
    Mas compreendo que não tenhas gostado muito.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Tita! Realmente não percebo porque é um clássico favorito de tanta gente... podes tentar explicar-me, por favor? :)
      Beijinho

      Eliminar
    2. Não sei se consigo explicar muito bem pois já o li há uns anos.
      Gostei das diferenças entre as classes e os preconceitos existentes. Além disso gostei do Mr Darcy =)

      Eliminar
    3. Ai, aquele Mr. Darcy... Durante anos ouvi dizerem maravilhas sobre ele como sendo uma das personagens mais desejáveis do universo masculino. Mas não fiquei fã, fiquei mesmo do lado contrário. -.-

      Eliminar